GEMInIS

O Ensaístico, a Memória e a Subjetividade: mecanismos de modulação do tempo e a construção do comum | Ferreira Oliveira | Revista GEMInIS

Confira o artigo “O ENSAÍSTICO, A MEMÓRIA E A SUBJETIVIDADE: MECANISMOS DE MODULAÇÃO DO TEMPO E A CONSTRUÇÃO DO COMUM” publicado na nova edição da Revista Geminis e realizado por Laís Ferreira Oliveira.

RESUMO: Este artigo se debruça em torno da forma do filme-ensaio, investigando como ela modula e insere a inscrição do tempo, da memória e da história na imagem fílmica. Para tanto, retomamos as teses de Corrigan (2015) sobre o filme-ensaio, ao pensamento de Rancière sobre a obra de Chris Marker e suas ideias sobre o político e o comum, às reflexões de Foucault (2016) acerca do documento e ao trabalho de Lapoujade (2015) sobre o político a partir de Deleuze. Temos como objetos principais os filmes Sem sol (1983) de Chris Marker; Sobrenome Viet Nome Próprio Nam (1989) de Trinh T. Minh-ha; As I was moving ahead when ocassionally I saw brief glimpses of beauty (2000), de Jonas Mekas.

O Ensaístico, a Memória e a Subjetividade: mecanismos de modulação do tempo e a construção do comum | Ferreira Oliveira | Revista GEMInIS

O Ensaístico, a Memória e a Subjetividade: mecanismos de modulação do tempo e a construção do comum

Fonte

setembro 29, 2017

0 responses on "O Ensaístico, a Memória e a Subjetividade: mecanismos de modulação do tempo e a construção do comum | Ferreira Oliveira | Revista GEMInIS"

Deixe sua mensagem